Notícias

Travesti Phamella Cdzinha, que gravou vídeo com andarilho, é encontrada morta

Travesti Phamella Cdzinha, que gravou vídeo com andarilho, é encontrada morta
Foto: Reprodução

Conhecida nas redes sociais pelo nome de Phamella Cdzinha, a travesti criadora de conteúdo adulto ganhou notoriedade por gravar vídeos em locais públicos, sendo alguns ao lado de igrejas ou até mesmo em pracinhas públicas de Balneário Camboriú, Itajaí e cidades da região do Litoral de Santa Catarina. Em um dos vídeos, ela se dizia sentir orgulho de ser voluntária e oferecer prazer para os “excluídos da sociedade”.

Diariamente, ela abordava andarilhos ou grupos de moradores de rua para gravar os vídeos. Os mesmos eram comercializados na internet, em plataformas de conteúdo voltado ao gênero.

Morte

Conforme informações apuradas pelo jornalista Pedro Papito, do portal Click Camboriú, Moradores de Balneário Camboriú foram surpreendidos com a notícia da trágica morte de Douglas, seu nome de batismo.

O criador de conteúdo foi encontrado morto a facadas em seu apartamento, que fica em frente a rodoviária da cidade. O crime aconteceu em 1º de junho. De acordo com a publicação, ele estava vestido como mulher, evidenciando sua identidade como crossdresser – pessoa que adota temporariamente vestimentas e comportamentos do sexo oposto.

Perseguição

Nos meses que antecederam sua morte, Phamella, como era conhecida nas redes sociais, relatou sinais de perseguição e tentativas de golpes. Em 18 de março, ela compartilhou em suas redes sociais uma foto de seu novo apartamento, destacando que era um local seguro e que nenhum “maluco” poderia incomodá-la. Ela mencionou um indivíduo que a vigiava e perseguia, mas que nunca teve coragem de confrontá-la pessoalmente. Em uma resposta, ela descreveu o perseguidor como um “covarde”.

Em 10 de maio, Phamella alertou seus seguidores sobre supostos golpes envolvendo seu nome. Ela enfatizou que não vendia conteúdo por WhatsApp e que seu PIX estava cadastrado com seu nome verdadeiro. Phamella mencionou um grupo de pessoas tentando extorqui-la, e afirmou que tinha informações suficientes para tomar medidas legais contra eles.

Mais recentemente, em 22 de maio, ela publicou uma conversa com um policial civil, que a orientava a registrar uma denúncia. Phamella prometeu tomar medidas legais contra seu perseguidor, afirmando que iria “fazer justiça por muitos que foram extorquidos”.

Na madrugada fatídica, a Polícia Militar e a Guarda Municipal encontraram Douglas morto a facadas em seu apartamento. As investigações iniciais sugerem que o autor do crime entrou no prédio com a autorização da vítima. Até o momento, o autor do crime não foi localizado, e a motivação do assassinato permanece desconhecida.

Sete horas antes de sua morte, Pamela postou um tuíte enigmático escrito “ESTÁ FEITO”.