Rapper Lil Uzi Vert pode se tornar a primeira pessoa a comprar um planeta

rapper comprar planeta
Publicidade

Difícil de acreditar, mas pode vir aí! O rapper norte-americano Lil Uzi Vert, dono do hit “XO Tour Llif3”, pode ser o primeiro ser humano a comprar um planeta. A notícia foi dada pela amiga do cantor, a também artista Grimes, via Twitter.

O valor da aquisição não foi revelada, mas conforme o professor de astronomia da universidade de Yale, Gregory Laughlin, trata-se de um valor altíssimo.

Publicidade

A compra seria de um exoplaneta gigante gasoso maior que Júpiter, chamado de WASP-127b. “Aparentemente, o Lil Uzi Vert é o dono deste planeta – só avisando”, escreveu a cantora, que é namorada do bilionário Elon Musk, entusiasta da corrida espacial do novo século.

Em resposta, Lil Uzi chegou a brincar com a situação. “Eu tentei surpreender a todos. Ainda estou trabalhando nisso”, disse o rapper.

A compra ainda estaria em vias de ser finalizada. “Documentação quase completa para Lil Uzi Vert reivindicar legalmente o wasp-127b – isso é enorme! Primeiro humano a possuir legalmente um planeta”, pontuou Grimes.

Daria para comprar um planeta?

Publicidade

Segundo Gregory Laughlin, que desenvolveu uma fórmula para calcular o valor de um planeta, não conhece nenhum processo atual pelo qual alguém possa comprar um astro. “Nenhuma estrutura legal de propriedade ou troca regulamentada baseada na Terra existe atualmente para a compra”, explicou ele à Rolling Stone EUA. 

“No momento, qualquer compra (seja para fins de investimento ou especulativos) precisaria ser organizada por meio de um local fora da Terra. Continuo sem saber da existência de trocas galácticas para o comércio de planetas, mas isso por si só, é claro, não exclui a existência [da compra],” completa. 

Ainda assim, Gregory confirma que o WASP-127b é um ótimo planeta para se adquirir. “Do ponto de vista de avaliação, eu recomendaria que os compradores em potencial do WASP-127b tenham em mente que a proximidade do planeta com sua estrela hospedeira o torna inabitável para vida baseada em carbono,” diz Laughlin.