Conecte-se

O que procura?

Variedades

ESCÂNDALO! Facebook admite ter deixado Spotify e Netflix lerem mensagens dos usuários

Que este foi um péssimo ano para o Facebook, não há dúvidas. A empresa entrou e saiu de 2018 afundada em escândalos. E agora mais um veio a tona. O que acontece é que uma matéria do The New York Times afirma que a empresa está envolvida em mais polêmicas sobre invasão de privacidade.

De acordo com a matéria publicada pelo jornal americano, um acordo entre o Facebook, Netflix,  Spotify e o Royal Bank of Canada, dava poderes para que as companhias pudessem ler, escrever e até mesmo apagar as mensagens dos usuários. O Spotify tinha acesso às conversas particulares de nada menos do que 70 milhões de pessoas. Além das citadas, a publicação revela mais pactos semelhantes, com outras 150 empresas, em sua maioria do setor tecnológico.

Advertisement

Amazon, Sony, Microsoft e Yandex tinha acesso nomes e endereços de e-mail por meio do seus contatos no Facebook — embora grande parte dessa movimentação tenha sido restringida em 2014. Em troca, a gigante varejista de Jeff Bezos, por exemplo, teria fornecido à rede social listas de contatos para sugerir conexões aos usuários.

Em nota, o Facebook alega que praticava sim tal conduta, mas com o intuito de melhorar o uso conjunto dos usuários às diversas plataformas das empresas, o famoso “Fazer Login com o Facebook”. “Os parceiros tiveram acessos às mensagens? Sim. Mas as pessoas tinham que concordar explicitamente com isso no Facebook ao usar o recurso de mensagens. Por exemplo, o Spotify. Depois de acessar sua conta do Facebook na aplicação desktop Spotify , você pode enviar e receber mensagens sem sair do aplicativo. Nossa API forneceu aos membros acesso às mensagens do usuário para aprimorar esse tipo de função”, diz a nota.

Advertisement

A Netflix se defende, afirmando que jamais acessou mensagens ou qualquer dado particular dos usuários. “ao longo dos anos, tentamos várias maneiras de tornar a Netflix mais social. Um exemplo disso foi o recurso que lançamos em 2014 que permitiu que os membros recomendassem programas de TV e filmes para seus amigos do Facebook via Messenger ou via Netflix. O recurso nunca foi muito popular, então o desligamos em 2015. Em nenhum momento acessamos as mensagens particulares das pessoas no Facebook ou pedimos para conseguir fazê-lo.”

O Spotify alega não saber que tinha acesso tão profundo aos dados dos usuários do Facebook. A Amazon se defendeu afirmando que o trato não violava sua política de privacidade, pois os próprios clientes concordaram ao sincronizar suas contas com as da companhia de Mark Zuckerberg.

No início de 2018, o Facebook protagonizou o escândalo de Cambridge Analytica, que expôs como a rede social usava os dados de usuários, e como isso foi decisivo no cenário político americano, que culminou na eleição de Donald Trump. Em setembro, uma brecha no firewall do servidor comprometeu 50 milhões de contas e neste mês, fotos privadas de 6 milhões de usuários foram expostas para apps.

Que ano hein?!

 

Anúncios
Anúncios

POP Mais no Twitter

Bombando!

Críticas

Poucas vezes vi tamanho desperdício de talento quanto na faixa “Cobra Venenosa”, lançada hoje (3/7) por Ludmilla. Precedida por uma treta envolvendo a funkeira...

Celebridades

Longe do canário musical desde 2016, após o lançamento do álbum “Glory”, Britney Spears sempre aparece nos principais veículos de notícias mundiais, mais recente...

Celebridades

Pabllo Vittar parece que tem um admirador secreto (ou nem tanto) famoso. Em um vídeo publicado no seu canal no YouTube, o ex-jogador de...

Celebridades

A noite dessa terça-feira (30/6) foi bem agitada para alguns filhos do cantor Leonardo. Um carro em que estavam dentro João Guilherme, Matheus e...