Vídeo: Samara Felippo sobre criação das filhas: “vivia na minha bolha branca”

Samara Felippo entre as filhas Alícia e Lara (Foto: Reprodução/Instagram de @sfelippo com fotos de @mandymirella )

Na última sexta-feira (13), Samara Felippo participou do programa “Sexta Black”, do GNT, e falou sobre racismo e a criação de suas duas filhas, Alícia, de 12 anos, e Lara, de 8 – ambas fruto do casamento que teve com o jogador de basquete Leandro Barbosa.

No papo, a atriz refletiou sobre como a criação influencia na formação de preconceito. “Eu vivia muito na minha bolha branca, romantizada. Vivi durante muitos anos nesta bolha. Furar é muito difícil, requer informação, abrir a mente, consciência. Acho que isso veio aos poucos. Não foi uma chave que virou de repente”, refletiu.

Samara Felippo contou que é a primeira vez que fala sobre como não tinha noção que teria uma menina preta. “É um assunto delicado de eu falar. A gente cresce tão racista, que eu lembro que tive a cesárea, e uma amiga minha disse que eu saí meio sedada, falando: ‘E o cabelinho dela, como é?’ Até onde vai o subconsciente, entranhado na gente”.

A atriz segue, afirmando que foi a partir daí que se deu conta do quão preconceituosa ela era. “Isso me tocou muito. O quão racista eu era, pra sair de uma sala de cirurgia, ainda em efeito de anestesia, preocupada em como vai ser o cabelo da minha filha”.

Samara relembrou as próprias referências enquanto criança, citando as paquitas da Xuxa, novelas, filmes e brinquedos, com pessoas predominantemente brancas. Assim, a atriz conta sobre quando procurou escola para as filhas, fez questão de que o corpo docente também fosse composto por pessoas negras, para que as meninas tenham em quem se espelhar.

Assista: