Morto em 2019, Caio Junqueira vence processo contra Record

Caio Junqueira, morto em 2019, vence processo contra Record
Publicidade

O ator Caio Junqueira, que faleceu após um acidente de carro em 2019, ganhou um processo trabalhista contra a Record TV, onde trabalhou entre 2008 e 2016. O artista havia processado a emissora na Justiça do Trabalho em 2017 e pedia o reconhecimento de vínculo trabalhista.

Segundo informações do site Notícias da TV, Caio teve ganho de causa em segunda instância na semana passada. No processo, Junqueira pedia o pagamento de direitos que não haviam sido concedidos pela Record. O ator relatou que tinha sido contratado em 2008 e obrigado a usar uma empresa jurídica para assinar o seu vínculo. O convite para fazer parte do elenco fixo da emissora surgiu na época por causa do sucesso do filme “Tropa de Elite” (2007), onde ele fez um papel de destaque, ao interpretar o policial Neto. Sendo assim, ele assinou o acordo em agosto de 2008. Na Record, fez a série “A Lei e o Crime” (2009) e diversas outras produções, como “Ribeirão do Tempo” (2010), “Milagres de Jesus” (2014), “José do Egito” (2013) e “Conselho Tutelar” (2015).

Publicidade

Junqueira alegou que cumpria horário e obrigações com a Record, além de ter acordo de exclusividade –não poderia atuar em qualquer outro veículo de TV aberta sem autorização da emissora. Em primeira instância, a emissora conseguiu vencer a disputa judicial, em julgamento que ocorreu no fim de 2019. Porém, após a defesa de Caio Junqueira recorrer, a 8ª Turma do TRT-1 (Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região) entendeu que, de fato, havia vínculo empregatício entre as partes e determinou o pagamento dos direitos renegados anos atrás.

O valor do processo é de R$ 60 mil. A Record ainda pode recorrer da decisão.

Publicidade